Mulheres e mães em transição, na mídia

Uma seleção de matérias e programas em que participei como especialista para falar sobre as necessidades e potenciais das mulheres em transição  

 
 
globo.jpg

Posso Ajudar?, no programa Como Será?, da Rede Globo, set/17

Em maio fui convidada pela produção do quadro "Posso Ajudar?", do programa Como Será?, da Rede Globo. A produção me convidou para ajudar a Daniela Matsumoto, arquiteta, mãe do fofo Mateus, hoje com 1 ano, que pedia uma luz para organizar a vida como autônoma E mãe de bebê E fazendo homeoffice. Dá pra conciliar?

Não nos conhecíamos de antemão, mas posso dizer que já conhecia sua história - porque é a história de tantas mulheres que me chegam no Coaching: em sua volta da licença-maternidade, Daniela percebeu que não havia espaço para diálogo na empresa para que mudasse o esquema de trabalho, de maneira a incluir por mais alguns meses as necessidades de flexibilidade de horários e local de trabalho. O que fez? Pediu demissão. E, em casa, começou a ver que sem apoio, divisão de tarefas com o marido e organização de agenda, acabaria não conseguindo nem estar em paz para ficar com seu filho, nem trabalhar porque precisava atender o bebê a todo momento.

Sentamos eu, Dani e o marido, Fernando para, juntos, entendemos quais eram os pontos críticos que precisavam ser ajustados para que Dani tivesse garantidas horas contínuas de trabalho em casa. Para que ela pudesse cuidar de sua carreira e exercer uma maternidade que lhe fizesse sentido.

Clique no botão para assistir a matéria completa.  

 
 crédito foto: Andrea Scagliusi Fotografias

crédito foto: Andrea Scagliusi Fotografias

Empresas não sabem aproveitar a potência das mães, diz especialista, março/18

Eu acredito que lançar luz sobre a revolução que acontece na mulher quando chega um filho/a abre novas sensibilidades e compreensões não só pra ela - mas para todas as pessoas que se relacionam com ela no trabalho, na família, na cidade, onde quer que ela esteja implicada. E, assim, diálogos podem acontecer à luz dessa visão que se expandiu. E novas posições. E novas negociações. E novos modelos de trabalho que incluam a mulher e a criança que chegou neste mundão.

Então, temos que falar sobre maternidade-revolução - o que acontece com a mulher quando nasce um filho/a. Temos que falar que apoio é fundamental para que essa revolução não se torne opressão e esmagamento da identidade da mulher, mas se transforme em potência. E aí, o mercado de trabalho é "o" lugar endereçado para esta conversa. Organizações, a conversa é com vocês.

Foi um pouco sobre isso que falo em uma matéria no Metrópoles, jornal de Brasília, feita pela jornalista Carol Vicentin. Carolina é colunista da seção "Licença, Maternidade", e tem sido uma ponte importante para ligar o mundo materno ao resto do mundo (!!) - porque, afinal, maternidade/paternidade é um assunto de todo o mundo. Na matéria, também falo sobre o Coaching para Mães em Transição, qual seu diferencial e para que mulheres se dirige.

*créditos-fotos: Lente Materna fotografia, para a foto de capa da matéria; Andrea Scagliusi Fotografias, para a foto com meu companheiro; arquivo pessoal para a foto com meu filho.

Clique no botão para ler a matéria completa.

 
Coaching em Grupo para Mães.jpg

Coaching para Mães no Estadão, out/16

Para que existe Coaching para Mães?

O Estadão se fez a mesma pergunta. E construiu uma matéria muito bem amarrada sobre o tema. Fui uma das duas coaches para mães entrevistadas e fiquei feliz com o resultado da matéria. 

Você ainda não viu? Clique no botão e leia a matéria. Saiu em outubro/2016.